Fátima se alia a adversários e depois abandona, diz Fábio Dantas sobre PT/MDB

Fábio: “É natural a governadora, do PT, se aliar à oligarquia Alves, do MDB”. Foto: José Aldenir

O pré-candidato ao governo do Rio Grande do Norte e opositor ferrenho da gestão do PT no Estado, Fábio Dantas (SDD), afirmou que a aliança política entre Fátima Bezerra (PT) e Walter Alves (MDB), anunciada nesta quarta-feira 27, após encontro da dupla com o pré-candidato à Presidência Lula, em Brasília, além de contraditória, é cruel com a militância do partido.

“Especialmente com aqueles que esbravejavam nas ruas e redes sociais: ‘Fora Temer!’ e ‘Foi Gópi! (SIC). É natural a governadora Fátima, do PT, se aliar à oligarquia Alves, do MDB. Isso foi o que ela sempre fez nas eleições passadas. Sempre se aliou aos adversários para chegar ao poder para depois abandoná-los”, avaliou.

Fábio Dantas disse ainda que, “inclusive, deve ser perguntado o porquê de o vice de Lula ser Geraldo Alckmin, tradicional adversário do PT. Importante lembrar ainda que essa chapa tem a pré-candidata a presidente Simone Tebet do MDB e Ciro Gomes do PDT de Carlos Eduardo”, disse.

Contraditório

O deputado estadual Kelps Lima (SDD) classificou a chapa Fátima/Walter de “escandalosamente contraditório, pois a governadora chegou ao poder ao lado dos militantes de seu partido e de partidos aliados de esquerda. E, agora, para se manter no poder a qualquer custo, descarta o vice-governador do PCdoB e o senador do PT e, no lugar deles, atrai conservadores que ela chamava de golpistas há algum tempo”, afirmou.

Para ele, Fátima Bezerra e o PT só querem o poder e por isso estão se aliando ao MDB, que sempre taxou de golpistas. “A mensagem que essa aliança passa é que não há um projeto econômico, nem desenvolvimento para o RN. O foco é manter Fátima no poder a todo custo, inclusive fazendo alianças com grupos que sempre a combateram a vida toda”, finalizou.

Incoerência

“Para o PT, vale-tudo pelo poder, vale saquear os cofres públicos, deixar pessoas morrerem para desviar dinheiro de respiradores pelo Consórcio Nordeste, pegar a maior arrecadação da história do Estado e torrar em empreguismo, ao invés de resolver os principais problemas do RN, tudo em nome do poder pelo poder. O maior erro do Brasil foi ter tirado Dilma. Era fundamental tê-la deixado até o fim, para que o brasileiro sentisse, na prática, o que é um governo populista”, disparou Brenno Queiroga (SDD).

Para ele, não há nada mais “incoerente que colocar para ser seu vice alguém que, teoricamente, ela dizia combater há anos e que até pouco tempo atrás, chamava de golpista. Mas coerência é algo que não podemos esperar de Fátima, veja por exemplo a implantação do piso dos professores. Ela construiu sua carreira política humilhando prefeitos para implantar os pisos nos municípios, e agora como governadora, não implementou”, disse Brenno.

*Com informações do Agora RN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.