Atos de 1º de maio mostram a polarização do país entre Lula e Bolsonaro

crédito: AFP

Este 1º de maio foi dividida em vários estados do país. Os atos de 1º de maio no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Minas Gerais mostraram que o Brasil está dividido entre quem apoia e quem não apoia o governo de Jair Bolsonaro (PL). Políticos dos dois lados também aproveitaram a proximidade das eleições para aparecer para os eleitores.

Em São Paulo, os opositores de Bolsonaro e apoiadores do ex-presidente e pré-candidato Lula (PT) se reuniram em frente ao estádio do Pacaembu, onde Lula discursou por volta das 16h, quando foi recebido aos gritos de “Lula, guerreiro do povo brasileiro”. Em sua rápida fala, Lula ressaltou a luta pelos direitos trabalhistas e pediu união. O ex-presidente adotou um tom duro ao falar de Bolsonaro, chamando o atual presidente de “miliciano” citando o assassinato da vereadora Marielle Franco. Ele ainda aproveitou para pedir desculpas a policiais depois de dizer, no sábado, que disse que Bolsonaro “não gosta de gente, gosta de policial”.

Nas palavras de ordem, os manifestantes pedem voto em Lula e chamam Bolsonaro de “fascita” e “genocida”. A inflação e a alta de preços de itens como alimentos e gasolina também foram muito criticados.

Pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PT, Fernando Haddad esteve presente no ato e bradou: “Ele (Jair Bolsonaro) é um presidente de meio período. Na metade do dia, destrói o país. Na outra metade, brinca de jet ski e de moto. Vamos conter esse homem.”

Já os bolsonaristas paulistas vestiram verde e amarelo e empunharam bandeiras e faixas com críticas ao STF e ao TSE. Alguns cartazes defendem o impeachment dos ministros do STF. O ponto de encontro foi a Avenida Paulista, onde bolsonaristas estão reunidos no início desta tarde. Em um telão com problemas de áudio, Bolsonaro apareceu numa gravação em que fala sobre defesa da Constituição, falando sobre família e Deus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.