Dia: 9 de julho de 2018

Meirelles participa de sabatina na Fiern nesta quinta

O “Fórum Sistema Fiern – Caminhos do Brasil” terá o pré-candidato à presidência da república, Henrique Meirelles (MDB), como convidado para falar sobre suas propostas. Será na quinta-feira (12), na Casa da Indústria em Natal, às 9 horas. Ele será o 5º presidenciável a participar do evento que já recebeu Aldo Rebelo (Solidariedade), Jair Bolsonaro (PSL), Álvaro Dias (Podemos), e João Amoedo (Partido Novo).

Natural de Anápolis (GO), Meirelles é formado em engenharia. Iniciou sua carreira em 1974 no BankBoston onde trabalhou por 28 anos. Começou no departamento de Leasing e, após quatro anos, assumiu a Vice Presidência do banco.

Em 1984 o pré-candidato cursou o Advanced Management Program (AMP) pela Harvard Business School, um curso que prepara executivos que assumirão a presidência de grandes corporações. Em junho do mesmo ano, com o seu retorno ao Brasil, foi nomeado presidente do BankBoston no país, cargo que ocupou por 12 anos.

Em 1996 foi escolhido presidente mundial da instituição a partir da sede nos Estados Unidos. Foi o único brasileiro a comandar um grande banco global nos EUA. Ocupou o cargo até 1999. Em 2002 foi eleito pelo PSDB o deputado federal mais votado do estado de Goiás. No ano seguinte, renunciou ao mandato para assumir a presidência do Banco Central (2003 a 2010). De maio de 2015 a abril de 2018 foi ministro da Fazenda.

Portal no Ar

Henrique não deixa perguntas sem resposta no depoimento à Justiça Federal

O ex-ministro Henrique Eduardo Alves prestou depoimento ao juiz federal Francisco Eduardo Guimarães, durante três horas, na manhã desta segunda-feira (09), sendo o quinto réu ouvido na Operação Manus, que investiga uma suspeita do Ministério Público Federal de que teria ocorrido desvios na construção do estádio Arena das Dunas.

Henrique afirmou que é uma figura política ilibada e sem máculas, confirmou que recebeu doações para sua campanha da Odebrecht por meio de Caixa 2, em virtude do limite de doações oficiais da empresa ter ultrapassado o permitido pela Justiça Eleitoral, mas não se comprometeu com nenhuma contrapartida, nem promessa para pós-campanha.

Em relação as doações da OAS, o ex-ministro ressaltou também que não ocorreu compromisso para depois da campanha.

Henrique detalhou como ocorreu cada uma das contribuições eleitorais “sem nenhum tipo de contrapartida, nem compromisso para beneficiar as empresas que doaram recursos à campanha”. E respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas.

Quanto ao MPF, o ex-ministro disse acreditar que “agiu por desinformação e não por má-fé”.

Heitor Gregório

Pré-candidata à Presidência da República pelo PSTU estará em Natal nos dias 10 e 11 de julho

A pré-candidata do PSTU à Presidência da República, Vera Lúcia, estará em Natal nos dias 10 e 11 de julho, terça e quarta desta semana. Operária sapateira e negra, Vera é uma reconhecida ativista sindical e política de Sergipe. Ela visita à capital potiguar para divulgar o manifesto e para o lançamento das pré-candidaturas estaduais do PSTU, que terá o professor Dário Barbosa como pré-candidato ao governo do RN e a professora Socorro Ribeiro como pré-candidata a vice. Ao Senado, os pré-candidatos são a professora de Ceará-Mirim, Ana Célia Siqueira, e o servidor da saúde em Mossoró, João Morais.

No lançamento que ocorre no dia 11, Vera irá apresentar o manifesto do partido por “Um chamado à rebelião! Um projeto socialista contra a crise capitalista”, cujo objetivo é discutir com os ativistas, nas fábricas, escolas e periferias, a construção de um programa socialista nas eleições de 2018.

‘Eu nem sairia de Curitiba’, diz ex-presidente Lula a advogado

Estadão

Descrente de que poderia ficar solto por muito tempo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou a advogados que o visitaram nesta segunda-feira, 9, na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, onde cumpre prisão, que não deixaria a capital paranaense caso tivesse sido solto no domingo. “Para onde Lula iria correr? É uma pessoa conhecida, sabe de suas responsabilidades. Ele me disse claramente: ‘Eu nem sairia de Curitiba, ficaria esperando o que decidiriam a meu respeito, porque sabia que isso não iria longe’”, declarou o ex-ministro da Justiça e advogado do PT, Eugênio Aragão, após a visita ao.

O petista recebeu a visita de cinco advogados. Além de Aragão, estiveram na sede da PF em Curitiba Rodrigo Zanin e Luiz Carlos da Rocha, da área criminal, e Luiz Fernando Casagrande Pereira, advogado eleitoral, Manoel Caetano, contitucionalista. Conforme Zanin, Lula se manteve sereno mesmo diante da negativa da soltura.

Aragão e Zanin argumentaram que, mesmo que fosse revertida no dia seguinte, a decisão do desembargador federal Rogerio Favreto concedendo a liberdade ao ex-presidente deveria ter sido cumprida. Aragão disse que as regras processuais, de competência e jurisdição foram “subvertidas” com as decisões posteriores a da soltura.

“O tema levado pelo habeas corpus era o direito de o Lula poder fazer campanha como pré-candidato à Presidência. Esse tema nunca foi levado à Justiça. Foi com base nisso que ele (Favreto) decidiu”, delarou Aragão, afirmando que a liminar só poderia ser revertida pela 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) ou por tribunais superiores, mas apenas após o término do plantão de Favreto.

Zanin disse ainda que a defesa criminal do ex-presidente está estudando a possibilidade de complementar os recursos judiciais já nos tribunais superiores com os fatos ocorridos neste domingo. “A defesa técnica sempre chamou atenção para o fato de que o ex-presidente não estava tendo acesso a um julgamento justo e imparcial”, disse.

Vereadora Telma e Kekeu apoiaram João Maia em São Paulo do Potengi

Filiado ao PR e filho de um dos vereadores que exerceu mais mandato na Câmara Municipal de São Paulo do Potengi/RN, por 34 anos, Carlos Sérgio de Lima, conhecido popularmente por Kekeu, filho de Titico; Filha de Manoel Bezerra, Telma de Farias (MDB), ambos vereadores de 1° mandato no Legislativo Potengiense, apoiaram a pré-candidatura de João Maia a Deputado Federal no pleito de 2018.

Em conversa com o Blog, o Vereador Kekeu nos disse que apoiará a pré-candidatura de João Maia pelo trabalho do mesmo já prestado ao RN e por ser o candidato do Partido a qual ele é filiado. “Estamos pronto, eu e meu pai para damos o apoio a João Maia”.

Por outro lado, a Vereadora Telma apoiará a reeleição do Deputado Hermano Morais (MDB) para Estadual e João Maia a Federal. Já Kekeu apoiará Terezinha Maia para o Legislativo Potiguar.

E assim já começa as definições de alguns Vereadores para o pleito de 2018.

Breve iremos trazer mais detalhes da política Potengiense…

Ex-presidente do STF diz que decisão que mandou soltar Lula é absurda

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Velloso, afirmou ao Broadcast Político que a decisão que mandou soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é ‘teratológica’, ou seja, absurda juridicamente. Para o ex-ministro, foi correta a decisão que havia revogado o habeas corpus concedido pelo desembargador Rogério Favreto, então derrubado pelo colega e relator da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), João Pedro Gebran Neto.

“A decisão é teratológica, portanto fez muito bem o juiz Sérgio Moro de fazer as ponderações, não é possível que a cada momento se tomem decisões que contrariem e afrontem a lei”, afirmou o ex-ministro, que deixou o STF em 2006.

Após a reportagem conversar com o ex-ministro, Favreto insistiu no pedido de habeas corpus e determinou novamente a liberdade de Lula.

Velloso destacou que foi o próprio TRF-4 quem autorizou Moro a decretar a prisão de Lula, em abril, quando o petista passou a cumprir pena na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba. “Foi impetrado um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que denegou. Também ao Supremo Tribunal Federal (STF), que denegou”, recorda o ex-ministro, para quem a decisão de soltura desrespeita as instâncias superiores da justiça.

“Escolheram um plantonista de domingo para isso, e um plantonista de domingo atendeu. O juiz tem de compreender que juiz pode muito, mas não pode tudo. Isso é o que precisa ser compreendido pelos juízes brasileiros”, concluiu o ex-presidente da Suprema Corte.

ESTADÃO CONTEÚDO

Guerra de decisões termina com Lula preso e Judiciário contestado

Seminário educação pública, desenvolvimento e soberania nacional. Participantes, Gleisi Hoffmann presidente do PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – 09/10/2017 (Lula Marques/Agência PT/Flickr)

A longa guerra de decisões travada ao longo deste domingo, 8, terminou com o despacho do presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), Carlos Eduardo Thompson Flores, que deu a palavra final: quem tem o poder de decidir sobre o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o relator, João Pedro Gebran Neto, e, portanto, o petista continuará preso.

Ele anulou a decisão do desembargador Rogério Favreto que, cumprindo a escala de plantão de final de semana do TRF4, admitiu um pedido de habeas corpus apresentado em favor de Lula e determinou a soltura do ex-presidente. A medida só não foi cumprida porque Gebran Neto suspendeu a decisão e teve a sua iniciativa referendada pelo presidente do TRF4.

Na sexta-feira, 28 minutos após o início do plantão de Favreto, os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Wadih Damous (PT-RJ) entraram com o pedido para que o petista fosse solto. O desembargador plantonista, como mostrou o Radar, foi filiado ao PT entre 1991 e 2010. Neste domingo, faltando cerca de 24 horas para o final do plantão, o desembargador concedeu o que pediam os deputados, alegando que um “fato novo” – a pré-candidatura de Lula à Presidência da República – justificava a urgência na análise.

A decisão provocou a reação do juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, que, apesar de estar em férias, determinou à Polícia Federal que não cumprisse a decisão enquanto Gebran Neto não se manifestasse. Favreto, no entanto, emitiu nova decisão reafirmando a determinação para soltar Lula e pedindo a investigação de Moro pelo Conselho Nacional de Justiça por infração funcional ao atuar para o não-cumprimento de decisão de instância superior.

Na sequência, o relator Gebran Neto invocou para si o caso e desfez o que o colega Favreto tinha decidido. Este, por sua vez, não aceitou, disse que não era subordinado a Gebran e, na sua terceira decisão sobre o caso, reiterou a determinação para a PF soltar o ex-presidente. A disputa de autoridade sobre o caso acabou envolvendo o Ministério Público Federal, que apresentou a Thompson Flores pedido para ele intervir na polêmica entre os desembargadores.

O resultado final dessa disputa é que Lula vai permanecer na carceragem da PF, onde já está há 92 dias, mas o episódio chamuscou o Judiciário. As movimentações de Moro, Favreto e Gebran têm tudo para provocar ainda muita controvérsia, com o imbróglio chegando ao CNJ. Por um lado, defensores do petista questionam Moro por ter interrompido suas férias e Gebran por ter “atravessado” o plantão de seu colega para evitar a soltura do ex-presidente. Por outro, Favreto é questionado por intervir em um processo relatado por um colega e com decisão já tomada em colegiado (a 8ª Turma do TRF4) com uma alegação questionável: a de que a pré-candidatura de Lula às eleições de 2018 era um “fato novo”.

VEJA