Segurança

“Eu posso afirmar que teremos operações policiais para trazer a paz no RN”, diz secretário de segurança

Foto: Hugo Vieira

Com uma onda de violência nos últimos dias, principalmente após as eleições, com homicídios, latrocínios, roubos, veículos incendiados, o secretário de segurança do Rio Grande do Norte, Coronel Araújo, afirmou que vai garantir a paz no estado. A afirmação foi feita em entrevista à TV Tropical, nessa segunda-feira (10).

“Eu posso afirmar a todo o RN que nós teremos operações policiais para trazer a paz no estado do Rio Grande do Norte”, declarou.

Segundo o coronel, as ações integram todas as forças de segurança do estado. “Não só a ação de polícia ostensiva. Também da Polícia Penal fazendo o controle dos tornozelados e ações com a PRF, que também é uma instituição do RN, que faz o policiamento. Todas essas instituições estão trabalhando”, completou.

O comandante da Polícia Militar, coronel Alarico, também falou sobre a situação vivenciada pelos potiguares e até visitantes. “A parte atuante da Polícia Militar, que é a instituição que pratica o policiamento ostensivo, que é visto pela população, nós estamos fazendo o máximo com todo o nosso efetivo para dar segurança à população”, comentou.

Sobre as investigações dos casos mais recentes, a delegada-geral de Polícia Civil, Ana Cláudia Saraiva, falou que as apurações já estão ocorrendo. “A partir da confirmação dos fatos, os inquéritos policiais foram instaurados. Como alguns casos, por exemplo de homicídios, estão com a DHPP. Essas investigações que estão no âmbito da DHPP, duas delas estão bem adiantadas no que diz respeito a essas ocorrências mais recentes”, disse.

“Com relação as outras ocorrências, algumas dependem de laudos do Itep. Foram feitas as perícias nos locais. Estamos buscando agilizar o recebimento dos laudos, que irão nos dar as linhas de investigações”, acrescentou.

A delegada disse ainda que não é possível afirmar que as ações criminosas são frutos dos “salves”, que supostamente foram emitidos por facções criminosas que atuam no Rio Grande do Norte.

Nós trabalhamos com provas técnicas. Nós temos que nos autos das investigações levar provas técnicas. Temos que fazer a análise dos fatos, encontrar pontos de ligação e comprovar esses pontos. É muito prematuro, os fatos aconteceram no fim de semana. É necessário que os delegados de forma integrada possam aprofundar as investigações para apresentar os resultados”, finalizou.

Portal da Tropical

Serra Caiada: Prefeito Joãozinho esteve em audiência junto ao secretário de Segurança Pública do RN

Na manhã desta segunda-feira (23) o prefeito Joãozinho Furtado, de Serra Caiada, acompanhado do ex-prefeito Faustinho, estiveram em audiência com Coronel Araújo, Secretário do Estado de Segurança Pública e Defesa Social do RN (Sesed). O objetivo da reunião foi para discutir sobre o reforço policial durante o Tapioca Fest 2022 e o 19° Arraiá da Serra, que acontecerá de 13 a 17 de junho.

Esteve presente também, o Secretário Adjunto, Delegado Osmir Monte e o Comandante-Geral da PM, Coronel Alarico Azevedo. O município aguarda um grande público nos 5 dias de festa, “Iremos prezar pela Segurança de nossos munícipes e visitantes, como temos feito diariamente, com Sistema de videomonitoramento 24h, além do Apoio Tático e Polícia Militar”, ressalta Joãozinho.

Diretor de Centro de Detenção Provisória é afastado sob acusação de levar detentos para a casa dele

Foto: reprodução/Portal Independência

Um diretor do CDP (Centro de Detenção Provisória) Nova Independência, na região Oeste de São Paulo, foi afastado do cargo no início deste mês sob a acusação de dar regalias para detentos, inclusive levando alguns deles para a própria casa no horário noturno e também para andar a cavalo.

A SAP (Secretaria Estadual da Administração Penitenciária), informou que os fatos estão sendo apurados pela Corregedoria da Pasta e que servidores foram afastados para não atrapalhar as investigações.

Segundo fontes do sistema prisional, a Corregedoria da SAP realizou vistoria surpresa na unidade prisional nos últimos dias e constatou irregularidades. Há informações de que, em apenas uma noite, o diretor levou quatro presidiários para a casa dele.

As mesmas fontes disseram à reportagem que, na versão do diretor, os detentos foram fazer serviços de limpeza na residência. No estado de São Paulo, diretores de presídio moram no mesmo terreno da unidade prisional. Esse era o caso também do diretor do CDP Nova Independência.

A saída de qualquer preso de uma unidade prisional — mesmo para ser levado legal ou ilegalmente para casa de um diretor — tem obrigatoriamente de ser registrada em livro ata. Esse também é o procedimento para a entrada e saída de qualquer pessoa do presídio, seja funcionário, policial, advogado ou visitante.

Ainda de acordo com as fontes, um grupo de prisioneiros do CDP Nova Independência tinha outras regalias, além dos “passeios externos”. Uma delas seria acesso à geladeira. Por conta das vantagens indevidas, ao menos 19 detentos teriam sido removidos para outras unidades.

As denúncias de irregularidades no CDP foram publicadas em primeira mão pelo jornal “O Foco”, na edição de sexta-feira (20). A mesma nota oficial divulgada nesta coluna foi enviada anteriormente ao jornal pela Secretaria Estadual da Administração Penitenciária.

Processo e demissão

Agentes do sistema prisional contaram à coluna que um diretor afastado foi transferido para a Penitenciária 1 de Presidente Venceslau (SP). A remoção do funcionário foi publicada no início deste mês no DOE (Diário Oficial do Estado).

Caso as irregularidades sejam comprovadas, o diretor suspeito pode responder a processo por peculato (crime cometido por funcionário público que consiste no desvio ou subtração de dinheiro público ou coisa móvel, para proveito próprio ou alheio) e ainda ser demitido.

A reportagem não conseguiu contato com o advogado do diretor suspeito de conceder regalias e levar presos para a casa dele.

O CDP Nova Independência foi inaugurado em novembro de 2018. O presídio tem capacidade para 823 detentos, mas, neste sábado (21), abrigava 1.234.

Inspeções feitas pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo na unidade prisional, um ano após a inauguração, constataram uma série de irregularidades, como lotação, racionamento de água, alimentação inadequada e falta de medicamentos.

Via Josmar Jozino – UOL